30 setembro 2005

O Armario


Agora que já arrumei o armário, da minha vida,
aquele onde tenho guardadas todas as emoções e recordações...
estou melhor.

Agora que já falei contigo sem nada esperar de ti,
porque nada queria, a não ser falar,
consegui finalmente arrumar as gavetas e a tua prateleira.
A tua era a mais difícil.
Tu que existes supostamente para me simplificar a vida,
para me ajudar, para me dar a mão, para me pegar ao colo quando cair... tu, deste-me uma carga de trabalhos.
Até para arrumar a prateleira tive que ser eu!
porquê? tu és mais alto e forte!
Não foste tu que a desarrumaste?

Sabes... tinha tudo desarrumado.
Era o amor na gaveta da dor, era a amizade na gaveta saudade...
Quando cheguei à tua prateleira, aquela lá bem em cima da porra do armário, já não sabia que sentimentos lá tinha guardados.
Recordo-me que por lá já passaram o amor incondicional, a admiração, a confiança, a saudade... e que depois de todos esses sentimentos bons, vieram uns maus, que fizeram doer, veio a decepção, a dor, a raiva e por fim a tristeza... a tristeza de saber que tudo poderia ter sido diferente e que nada mais tem remédio, por mais voltas que se dê.

Quando me enchi de coragem e subi o escadote para chegar à tua prateleira, fiquei espantada... pensava que os sentimentos maus, fossem saltar de lá... mas não, ao invés disso, soltou-se uma voz doce, sem medos, nem receios, que conversou comigo, como se houvesse falado ontem, uma voz familiar, uma voz que me deveria ter acompanhado toda a vida... mas que ao invés disso, se fez ausente, durante muitos anos.
Uma voz que me transmitia tanta saudade e que tanta falta me fez...
Agora que estava a falar com a voz que em tempos se negou a fazer-se ouvir, fui invadida por um sentimento de Paz, como se finalmente, tivesse conseguido libertar-me da amarra do meu passado.
Quando terminamos a nossa conversa, olhei para o armário...
Pensei... para a próxima vou tentar não adiar tanto tempo o inadiável,
que se traduz em não adiar a vida...

Foto: Digital Vision

7 comentários:

PARTILHAS disse...

Olá meu Amor,
Já falamos várias vezes sobre este armário... que se espera, nunca esteja totalmente arrumado de portas fechadas e da tal prateleira.
É bom, quando depois de tanta arrumação, se sente a Paz de espirito suficiente, para nos sentarmos a olhar, para ela e de coração no seu devido lugar e em Paz... conseguirmos resumir de modo tão simples, um Amor dorido.
É melhor ainda, teres começado um blogue, em que eu posso dizer ao mundo, o quanto te admiro, te respeito e como tu és uma mulher, especialmente bem construida.
Um abraço daqueles nossos e umas beijocas das minhas, com um olhar de "Gosto muito de ti!"

stela disse...

Não posso agradecer a forma como me vês, pois tal não se agradece, retribui-se...
agradeço-te com um... eu ainda gosto mais!

P.S. Desculpa ter apagado o outro comentário que fizeste, foi sem querer. Como deves ter reparado, tinha isto invadido por publicidade e ao apagar os outros, apaguei também o teu. Volta repô-lo!

bjs

Insolente disse...

ja nao vinha ca ha algum tempo e peço desculpa por isso... continua a escrever o k t vai na alma ;) ou nao fosse isto um escape... bem ahajs

maria mãe disse...

Stela,
olá, passei para desejar bom fim de semana.
Quem bom que fizeste as tuas arrumações! É tão bom fazê-las. Dá-nos sempre uma sensação de "dever cumprido" e uma satisfação tão grandes!

Beijinho!

Reflexos disse...

Tive uma amiga que acordava a meio da noite para literalmente arrumar gavetas...sabe-se lá o que lhe ia na cabeça...lol
Gavetas ou armários...o que é bom mesmo é arrumar o passado e seguir em frente... ;-)

stela disse...

a todos:
Há arrumações que adiamos, mas que mais tarde ou mais cedo temos de fazer. Sejam elas de armários de madeira ou de armários de memórias.

beijos grandes a todos

Paula Raposo disse...

Há momentos que não se podem adiar!