05 setembro 2005

Buscas

Éramos 3,
3 Mulheres,
as 3 diferentes mas afinal, até muito iguais.
As 3 divorciadas,
as 3 cada uma com um filho.
Fomos ver o álbum dos casamentos.
Que sorrisos tão felizes!
Para onde foi a felicidade daquele dia? e de todos os que o antecederão?
Os planos? O Amor?
Quando regressei a casa, com o meu filho já a dormir, na cadeira auto, relembrei todas aquelas fotos, como se de um filme se tratasse.
Questionei-me como sempre, em que momento, o projecto daquelas vidas (com a minha incluída) falhou?
Não haveria nada mais a fazer?
Afinal nós eramos felizes... ou não?
E hoje, que nos separámos em busca da felicidade...
Será que a encontrámos?
Foi aí, nesse momento que o medo se apoderou de mim...
e se eu "falhar" outra vez?

9 comentários:

ReflexoDoSol disse...

Todos nós buscamos algo. Por vezes procuramos longe aquilo que está perto, outras, está tão perto que o nosso olhar não alcança, na realidade todas estas são frases feitas, tantas vezes prenunciadas, e tão poucas vezes assimiladas. Relativamente ao casamento, existem também muitas outras, tais como, "para sempre", "até que a morte nos separe", "juntos nas tristezas e nas alegrias, na doença e na felicidade", estaremos nós, aqueles que um dia decidiram viver um sonho de criança com principes, princesas, bruxas malvadas e onde tudo acaba bem, estaremos nós preparados para assumir o peso de todo o sempre?
será a morte a separação?, e se fôr
será para todo o sempre?, e se não fôr,
então como posso ter-me enganado tanto?
de tanto partilhar esqueci quem sou?
seremos ou teremos sido realmente felizes com tudo isto?
Tantas perguntas avassaladoras, cada uma delas com tanto para dizer...
Hoje, simpliquei muito a minha vida, cada vez faço menos perguntas, hoje prefiro, "sentir a insustentável leveza do ser", ser feliz é algo que me é intrínseco, o passado dos "albuns de fotografias" ganham pó em memórias amorfas, deixei de fazer planos relativamente a pessoas, talvez porque a minha "busca" tenha terminado, ou talvez porque a minha felicidade não dependa exclusivamente da pessoa com quem estou ou estarei. Após este tempo todo, do casamento e do divórcio ficou, a lição e a aprendizagem que me fez chegar aqui. Procurei no mundo o que estava tão perto, e de tão perto que estava o meu olhar não alcançava, afinal encontrei aqui dentro...a felicidade...caminho difícil sem dúvida, em cada "falha" aprendi algo novo, em cada "conquista" usufrui o descanso e o relaxe merecido...difícil mesmo...mas não será a felicidade a própria viva?
e se ela fosse fácil de encontrar, dar-lhe-iamos tanto valor?

simplesmente...

Boa Aventurança Stela

Obrigado pela inspiração...

ReflexoDoSol

PARTILHAS disse...

Olá linda Bom Dia,
Também fiquei a pensar nisso... Em como tudo mudou... em como de 4 casais... estamos todos separados... Nenhum se aguentou...

Mas, também... como as amizades se mantêm apesar das outras separações... como temos cada uma de nós um filho... e não uma filha...

Yardbird disse...

A verdade é que sem risco a vida não é muito interessante, pois não?
O medo de falhar é comum a todos nós. Uns, conseguem ultrapassá-lo, outros não. Mas julgo que a busca da felicidade é um bom alibi para ir em frente.
Beijinho, dia bom :-)

stela disse...

reflexo do sol:
Se fosse fácil de encontrar provavelmente não. Penso que o valor que damos à felicidade depende, da que nos faltou!

Partilhas:
Será uma provação? :-)

Yardbird:
Sim, a busca pela felicidade é sem dúvida um óptimo álibi, para se seguir em frente :-)

beijinhos grandes aos 3

sponte sua disse...

Amanhã é sempre outro dia e o medo, embora presente não é opção como desculpa para não se viver! E eu sei do que falo porque, não tivesse eu, em determinado momento, tido medo e, provavelmente, estaria hoje mais feliz ou teria, neste período de tempo, sido mais feliz! Não podemos garantir o futuro... mas isso não pode servir de desculpa para não viver o presente!

Anónimo disse...

Sê feliz, Stela. Tens um enorme tesouro ao teu lado: um filho. Ainda que o amor tenha acabado, ele é certamente fruto do amor. Isso é felicidade...

stela disse...

Sponte:
jamais me recusarei a viver o presente e a vida, isto são desabafos de dias piores... ou de dias de reflexão.
beijinhos

anónimo:
claro que o meu filho é felicidade! mas 2+2, nem sempre são 4, ou melhor serão... mas por vezes bastante desmultiplicados, como tu tão bem sabes!
Como disse ao "Sponte", isto são dias... dias de reflexão. Porque eu adoro viver!
beijinhos

Ana Luísa disse...

Primeiro queria agradecer a passagem pelo meu blog.
Em relação a esta situação, que posso eu dizer? Não passei por essa situação (complicada) mas tenho amigas a quem isso aconteceu, quando menos se esperava. Às vezes dou por mim a pensar nisso porque estou com uma pessoa que passou por um divórcio e desde aí que fiquei mais "atenta" a estas situações e sentimentos...
Mas pense que pior do que sofrer é não ter vivido nada... E tem o seu filho que é o maior tesouro que se pode ter...
Bjs e força :)

stela disse...

Ana Luísa:
obrigada pelas palavras.
beijinhos