29 junho 2006

A Madrinha


















- Quando me casar quero que sejas minha madrinha!
- Sério? Claro que serei!
- Pode ser à Espanhola?
- És tão engraçadinho... (risos)


Passaram 20 anos desde o dia em que fizemos a promessa de jamais nos separarmos. Creio que teriamos 8 anos quando nos conhecemos tu e eu e 12 quando fizemos o pacto.
Lembras-te quando ficávamos todos vaidosos por nos perguntarem se eramos irmãos?
E os nossos segredos? Aqueles que até hoje temos guardados...
Nunca me vou esquecer do dia em que soube que ias ser Pai, foi no dia do meu aniversário, fazia então 18 anos... a tua Mãe ligou-me, pediu-me que fosse eu a dizer-te, ela não era capaz... lembras-te? eu a dizer-te: vais ser Pai, tu a sorrires a pensar que brincava contigo, eu com os olhos bem abertos a fixar os teus, tu a perceberes que não era brincadeira, tu confuso... a voz a embargar-se... os olhos a ficarem rasos de água e o nosso abraço...
A vida não foi propriamente o que planeámos durante aquelas noites de Verão em que sonhavamos sentados no banco de jardim em frente à minha casa e olhavamos as estrelas... queriamos ter bons empregos, eu ser professora, queriamos ter muitos filhos, eu não ficava bem com menos de 3, tinham que ser 3! Tu rias-te da minha determinação, queriamos casas grandes com animais, que nunca pudémos ter, queriamos tudo, o mundo era nosso!

Agora que vais casar, que a vida não foi o sonho sonhado em tempos passados, mas de que também não nos podemos queixar... convidaste-me para jantar, nada de anormal, fazemo-lo várias vezes, só que desta vez foi diferente... seguraste-me a mão e disseste-me és linda... Obrigado por nunca me teres abandonado... até me assustei! Quero muito que sejas minha madrinha agora que vou casar... desejo muito que estejas ao meu lado, que dances comigo...
lembras-te de quando contemplavamos juntos o céu à noite? Lembras-te das estrelas? O céu hoje já não é assim pois não?

imagem: images.com

8 comentários:

Misty disse...

...é assim, é... basta que assim o queiramos.

Sabes, este texto, que apesar de ter outro destinatário, que não eu, de tão intenso, de tão teu, e por dizer o que diz, e por tudo o que falamos uma com a outra, deixou-me aqui com os olhos rasinhos de lágrimas...

Um beijo, minha Amiga do Coração!

Tua disse...

As amizades feitas na adolescencia são assim!
Fizeste com que me lembrasse de dois amigos.
Ela - com quem fiz um pacto de sangue (só um gotinha) numa folha rasgada de um caderno, atado com dois cabelos, um meu, outro dela. Acho que ainda o tenho por aí!
Ele - sempre disse que seria meu padrinho. Mas o meu marido não o suporta! Falo com ele mais ou menos na clandestinidade.
A intensidade não é a mesma - a intimidade da adolescência assusta-me um pouco enquanto adulta!
Mas obrigado por me lembrares destes laços - que ficam para a vida!

Ines disse...

Percebo o teu susto.
Há tempos fui jantar com um amigo que já não via há uns 10 anos, mas de quem sempre gostei muito! Era meu confidente, e vice-versa; acho que o rapaz de quem me aproximei mais, e que não foi meu namorado(!). Mas houve qualquer coisa que me alarmou no nosso encontro.
Ainda bem que mantiveste o contacto com esse teu "afilhado" de sempre!

Helder Ribau disse...

aqui estou eu novamente a visitar :)

Albatroz2 disse...

Parabens...vais ser madrinha :)

GK disse...

Parece-me que, quando se encontram, o céu ainda é assim...
Às vezes não vemos o que está mesmo à frente dos nossos olhos.

Bj.

Rakiel D´O disse...

:) Vim aqui ter por acaso... um clique puxa outro e aqui estou. Mas depois do que li, e de olhar embaciado, tenho que comentar... Esse discurso lindo e sentido, denota uma intimidade tão grande, uma cumplicidade tão profunda... Será que não vais estar do lado errado do noivo? Bjcs

SoNosCredita disse...

"A vida não foi propriamente o que planeámos"

pior ainda, quando se revela uma total desilusão...

é bonito saber que ainda há relações assim, puras!