17 novembro 2006

O Primeiro Amor















"Eles são duas crianças a viver esperanças, a saber sorrir.
Ela tem cabelos louros, ele tem tesouros para repartir.
Numa outra brincadeira passam mesmo à beira sempre sem falar.
...
Foram juntos outro dia, como por magia, no autocarro, em pé.
Ele lá lhe disse, a medo: "O meu nome é Pedro e o teu qual é?"
Ela corou um pouquinho e respondeu baixinho: "Sou a Cinderela".
Quando a noite o envolveu ele adormeceu e sonhou com ela...
....
E agora, nos recreios, dão os seus passeios, fazem muitos planos.
E dividem a merenda, tal como uma prenda que se dá nos anos.

E, num desses bons momentos, houve sentimentos a falar por si.
Ele pegou na mão dela: "Sabes Cinderela, eu gosto de ti..."

Carlos Paião: "Cinderela"



Dizem que não há Amor como o primeiro.
E como poderia haver?
Com o primeiro amor não havia "medos", nem receios de exposições.
"Damos" todo o amor que temos cá dentro,
guardado, sem medos... sem pensar e se...
O meu primeiro amor perguntou-me se queria namorar com ele. Mais tarde sonhou em casar comigo, sem medo de ser rídiculo... não tinha medo de sonhar com ele, de dizer o que sentia, era tudo tão natural...


14 anos depois...
Olhei ao longe e vi um rosto familiar, demasiado familiar, para não reconhecer... o meu estômago reconheceu-o... embrulhou-se...

Jantei lado a lado com ele.
Sem nenhum de nós esperar tal encontro...
foi no aniversário de uma amiga em comum.
A pessoa que melhor conheci cresceu e eu cresci também.
Eu sempre a tentar descobrir-lhe pontos que recordasse...
contínuamos tão iguais, com tantas diferenças...
gostei de o ver...

Inquisidor como sempre (isso não muda :)) a dada altura perguntou:
- namoras?
- bem... mais ou menos...
sorriu com o seu sorriso rasgado, que não o abandona...
- e tu? perguntei.
- namoro, sem mais ou menos. (risos)
- a namorada não veio?
- não nos andamos a entender muito bem...
- tou a ver...
- e ele, não está porquê?
desatei-me a rir e disse:
- porque nos andamos a entender muito bem!

imagem: images.com

12 comentários:

PARTILHAS disse...

Aiiii,
Eu adoro, quando tu escreves assim...

Estou a visualizar-te ali, lado a lado, a sorrir, frente a frente... A recodar enviuzadamente, a sonhar sempre a direito, sem curvas...

Sabes linda, nem sempre o primeiro Amor, é o primeiro...

Ines disse...

delicioso!!!

O meu primeiro amor (correspondido - com namoro e tudo) vejo-o poucas vezes...
Mas não há essa cumplicidade. Não tenho nada a ver com ele agora!

O primeiro amor (não sei se correspondido - sem nomoro) Esse é diferente! Gosto de conversar com ele. Há intimidade que não sei explicar.
Afinal o que é o amor?!

Eva disse...

E quem não gosta dessa canção?!! ;)

Ines disse...

Ontem vim a cantarolar "eles são duas crianças...a viver esperanças... la la la la la..."

;-)

Ines disse...

E tenho mais uma coisa para dizer!
Acho que o melhor amor é sempre o último, o que nos encanta, nos preenche no momento, se não for assim não é amor.

Nilson Barcelli disse...

Tu sabes que eu não me lembro do meu primeiro amor?
Por isso, no que me toca, a frase não faz muito sentido...
Bom fom-de-semana.
Beijos.

Alma Nova disse...

Não há amor como o primeiro, dizem...talvez seja verdade, mas antes há que saber o que é o amor. Muitas vezes esse tal Primeiro Amor só aparece quando deixámos de acreditar que o Amor pudesse realmente existir...E aí é o Primeiro, o Único, o Último!

SoNosCredita disse...

""Damos" todo o amor que temos cá dentro, guardado, sem medos... sem pensar e se..."

às vezes sinto saudades dessa sensação...


"vi um rosto familiar, demasiado familiar, para não reconhecer... o meu estômago reconheceu-o... embrulhou-se..."

comigo já passaram 5 anos e passa-se exactamente o mesmo!
e nem sempre preciso de olhar para saber o que vou ver.


:)


(o mais estranho é ñ conseguirmos saber se pensam e sentem o mesmo que nós, quando nos vêem. mas talvez seja essa a magia...)

Marie disse...

Eu cá acho que se visse o meu primeiro amor, me ia fartar de rir com ele acerca das patetices todas que fazíamos... hehehe

Aos 13 anos a pessoa dramatiza que se farta ... heheheheh

Beijos

Marie disse...

P.S. - Nariz empinado, ó faxavor!!!

;*

Nilson Barcelli disse...

Como já comentei... deixo-te o desejo de uma boa semana.
Beijos.

Zaida Afonso disse...

o primeiro amor tem o seu quê de magia, sem duvida. Eu sou casada ha 4 anos com o homem da minha vida, no entanto não ha muito tempo vi o meu primeiro amor, andava eu a passear com a minha filhota e o meu marido e senti esse mesmo embrulho no estomago de que falas, como se tivesse voltado ao liceu.